Você costuma perder xixi?


Você costuma perder xixi tossindo? Pegando um peso? Ou mesmo não consegue chegar ao banheiro sem sair umas gotinhas? Saiba que você não está sozinho. A perda de xixi (incontinência urinária) é um problema que atinge diversas pessoas pelo mundo. Segundo a sociedade brasileira de urologia, ela atinge duas vezes mais as mulheres do que os homens e estima-se que a chance de apresentar incontinência urinária após os 70 anos seja de quatro a cinco vezes maior do que na faixa etária de 20 a 40 anos.  Pode ser originada por diversos fatores como idade, peso, gestação e parto, histórico de patologias como diabetes, após cirurgia de próstata.

Os principais tipos de incontinência urinária são:

Incontinência urinária de esforço (IUE): É a perda de xixi ao realizar algum esforço como pegar um peso, espirro, tosse, etc. Geralmente ocorre por enfraquecimento dos músculos e ligamentos do assoalho pélvico, deixando a região mais suscetível de escapar a urina. Em mulheres, a incontinência urinária de esforço corresponde a cerca de 40 a 70% dos casos de incontinência urinária. Em homens, a incontinência urinária de esforço é rara e tem como principal causa as cirurgias prostáticas

Incontinência urinária de urgência (IUU): É a perda de urina acompanhada de uma urgência, ou seja, a pessoa tem uma vontade repentina e incontrolável de fazer xixi, porém quando está perto de chegar ao banheiro acaba perdendo algumas gotas ou jatos. Também é conhecida como bexiga hiperativa. Na maioria das vezes não existe uma causa aparente, porém algumas doenças neurológicas podem aumentar as chances de desenvolver o problema. Geralmente as pessoas que apresentam esse tipo, costumam saber todos os lugares que tem banheiro no seu trajeto no dia a dia.

Mas calma, a incontinência urinária tem tratamento. As pessoas que apresentam os sintomas devem procurar um urologista para avaliação do caso e posteriormente procurar a fisioterapia pélvica. A fisioterapia pélvica é uma especialidade que trata distúrbios sistema urogenital e coloproctológico. O tratamento fisioterapêutico varia de acordo com o tipo de incontinência apresentado. Inicialmente é realizada uma avaliação para identificar o grau de força, coordenação e consciência de contração. Após o primeiro contato será traçado o plano de tratamento com técnicas de fortalecimento muscular, eletroestimulação, biofeedback e terapia comportamental. Se necessário, o urologista pode prescrever medicação para ajudar a inibir o reflexo de esvaziamento da bexiga, diminuindo a urgência nos casos de incontinência de urgência. Em casos mais avançados, a cirurgia é indicada.

Segue abaixo algumas recomendações para ajudar a melhorar os sintomas:

  • Evitar beber líquidos em até 3 horas antes de dormir;
  • No caso de incontinência de urgência, evitar o consumo de frutas cítricas, café, pimenta, pois são substâncias irritativas para a bexiga;
  • Coma bastante fibras e beba água;
  • Faça atividade física;
  • Antes realizar o esforço, realize contração dos músculos do assoalho pélvico;

A incontinência urinária é uma condição que causa bastante constrangimento, diminuição da autoestima e impacta diretamente na qualidade de vida das pessoas. Portanto, se este é o seu caso, procure ajuda. A incontinência urinária tem tratamento, e este não é fralda.


Post Author: Daniele Brandão

Fisioterapeuta, pós graduada em terapia manual e postural, pós graduanda em fisioterapia em uroginecologia e obstetricia, Doula, formação em RPG