O Bullying ocorrido na infância pode trazer para a vida adulta?

A maioria das pessoas sofreram bullying na infância, e se você pedir para descrever como isso aconteceu eles irão descrever com grande detalhe. Identificam o dia exato, hora, localização e quem estava lá. Sabe o por quê de uma memória tão ricas em detalhes? Porque foi um experiência traumática!

As experiências com o Bullying ocorre geralmente em torno da 5º série, ou 4º ano como é estabelecido hoje. Socialmente, esse é o momento em que garotos e garotas começam a formar grupinhos, se tornam competitivos e começam a se interessar pelo sexo oposto. No entanto, é também o momento que ocorre muitas mudanças físicas. As crianças recebem aparelhos, óculos, acne, se desenvolvem mais rápidos ou mais lento que os outros na classe.  E ai qualquer um pode ser um vítima privilegiada do Bullying por qualquer motivo.

Infelizmente os efeitos do Bullying podem interferir na vida adulta. Mantemos o rótulo, as cenas de Bullying transitam na mente, que pode até se começar a acreditar novamente naqueles “apelidinhos” que recebeu quando era mais novo. Acontece muito com mulheres que pensam que são muito altas, magras, ou gordas, advindo de um cenário de bullying da infância. E se esta experiência foi bastante difícil e traumática, onde nunca conseguiu processá-la e deixá-la ir. Estes efeitos podem durar até anos. Um exemplo seria uma pessoa que foi provocada na infância por ser “gordinha”, mesmo sabendo que não está acima do peso atualmente ainda sim se considera “gordo”. Cria uma luta consigo mesmo por medo da sociedade impor novamente este rótulo.

LEIA  Você costuma perder xixi?

O trauma do Bullying não desaparece só porque a pessoa está longe de quem a atormentou. A ansiedade e a depressão que o indivíduo sentiu para alcançar os padrões ridículos de beleza imposto pelos outros ainda podem permanecer. Então, como combater o bullying e a imagem corporal negativa?

Uma maneira simples de começar é parar a auto fala crítica. Desfazer dos danos do bullying ao lidar com seu sabotador interno, desafiando as crenças negativas que ainda permanecem em sua mente. Escreva-os em um papel, queime e vire as costas pra eles. Assim modela a auto aceitação positiva de nós mesmos. Se aceite!
Claro que não é tão fácil assim lidar com estas memórias traumáticas e crenças enraizadas. A dica acima é uma maneira prática e bem objetiva de não alimentar os pensamentos negativos da questão. Porém a maioria das pessoas precisam de um acompanhamento psicológico para saber lidar com estas emoções e sentimentos. Para isso deve-se dá o primeiro passo e pedir ajuda a um profissional especializado.

Eu, Camilla Ribeiro psicóloga clínica, realizo Orientações Online, cadastrada pelo CFP (Conselho Federal de Psicologia), entre em contato. Se conhecer faz bem, além de crescer e se tornar a melhor versão de si mesmo.

Mais informações, estou disponível no Whastapp: (75)991383705  

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here